SEJA BEM-VINDO.

Este é um blogue humilde.

Espero, que se sinta bem, aqui.



Nem sempre o dia amanhece, igual

E, então, a nossa Alma, por tal

Reflete a luz de modo diferente

O importante é olhar o mundo

E tentar entender o seu profundo

E caricato modo de moldar a gente





Espero, que aprecie os momentos, que

estiver, aqui, e que esse seja um motivo,

para que volte.





POR FAVOR, DEIXE OS COMENTÁRIOS NOS POEMAS, APENAS.

CASO CONTRÁRIO ACABARÃO, POR PERDER-SE, AQUANDO DA

RENOVAÇÃO DO BLOGUE



apsferreira



sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Insensibilidade (ensaio)

Se tu me amas,
porque aclamas a tua indiferença?
Porque insinuas, que a tua presença
é fruto de um mero acaso?
Porque me negas ao teu amor,
que, em teu coração chega a ser dor,
sabendo que, com isso, eu me extravaso?

Se tu me amas,
porque aclamas fastidioso o meu ardor?
Porque o desdenhas, sem pudor?

E tu sabes que isso me causa tanta dor...

Se tu me amas,
porque, vendo retratado em mim tanto amor,
deixas-me partir, e nem reclamas?

apsferreira


Insensibilidade (ensaio) - Poemas de reflexão - Poemas e Frases - Luso-Poemas

Um comentário:

BELA FLOR. disse...

Boa noite!Querido amigo Albano

Um poema onde retratas tanto amor e não deixa de transparecer a dor e indiferença deste sentimento...parabéns amigo esta linda sua poesia e imagem.

Beijos.