SEJA BEM-VINDO.

Este é um blogue humilde.

Espero, que se sinta bem, aqui.



Nem sempre o dia amanhece, igual

E, então, a nossa Alma, por tal

Reflete a luz de modo diferente

O importante é olhar o mundo

E tentar entender o seu profundo

E caricato modo de moldar a gente





Espero, que aprecie os momentos, que

estiver, aqui, e que esse seja um motivo,

para que volte.





POR FAVOR, DEIXE OS COMENTÁRIOS NOS POEMAS, APENAS.

CASO CONTRÁRIO ACABARÃO, POR PERDER-SE, AQUANDO DA

RENOVAÇÃO DO BLOGUE



apsferreira



sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Eu Vi as Lágrimas de Portugal

Hoje, eu vi Lisboa despertar molhada
Banhada em lágrimas, e em respingos de sal
E o que eu vi, hoje, em Lisboa
Eu vi também no resto do meu Portugal

Eu vi multidões agonizantes
Crivadas de uma forma brutal
Por insólitas farpas, que incessantes
Cruéis coleiras sufocantes,
Nelas, geravam um pânico, sem igual

Eu vi casas a se desmoronarem
Que, mesmo erguidas sobre o seu alicerce ideal,
Cediam, fragilizadas, sem parar
À força e à destreza de um vendaval
Que, com uma subtileza sem par,
Fazia os seus habitantes desvairar
Ao lhes desfazer as suas asas
Com uma tal frieza, abismal...

Eu vi lágrimas de dor e de sal, por todo o lado
Neste imenso punhado de lares, de Portugal
Eu vi homens e mulheres aos milhares
A verem a ser saqueados os seus lares
E, de sua vida, a perderam a mão
E a sufocarem, agonizantes, nos mares
Do mais intenso de uma insólita aflição

São gente que sente o seu coração a ser imolado
Pelo legado de uma exterminadora corrupção
Levada à mão por um prepotente punhado
De incompetentes, que, por todo o lado
Mina o chão dos seus lares
Sem dar ares de escrúpulos, ou de compaixão

apsferreira

Um comentário:

Jorge Santos disse...

No cabo dos medos,
Onde este país se afoga,
Os magros abalam todos,
O que ficou, chora e roga

Aos medos com que o enganam.
-Não lhes contassem das lendas
E dos mares que heróis trilharam,
Espelham nos rostos misérias inglórias,