SEJA BEM-VINDO.

Este é um blogue humilde.

Espero, que se sinta bem, aqui.



Nem sempre o dia amanhece, igual

E, então, a nossa Alma, por tal

Reflete a luz de modo diferente

O importante é olhar o mundo

E tentar entender o seu profundo

E caricato modo de moldar a gente





Espero, que aprecie os momentos, que

estiver, aqui, e que esse seja um motivo,

para que volte.





POR FAVOR, DEIXE OS COMENTÁRIOS NOS POEMAS, APENAS.

CASO CONTRÁRIO ACABARÃO, POR PERDER-SE, AQUANDO DA

RENOVAÇÃO DO BLOGUE



apsferreira



sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O Perdão de Cristo

Diz-me, Tu, ó bom Senhor Jesus
Tu, que estavas pregado, naquela cruz
Perante um mundo de devassidão
Como, naquele exacto momento
De dilacerante dor e sofrimento,
Perdoaste toda aquela multidão
O Teu abandono era profundo…
Sentias-Te abandonado, pelo Pai
Foras ultrajado, pelo mundo
Brutalmente, pela humanidade…
Que, plena em ingratidão,
Negava-se à hombridade
E, sem qualquer compaixão,
Condenou-te à crucificação.
Aqueles, a quem amavas de verdade!

Diz-me, Tu, ó senhor bom Jesus
Como, esse Teu coração, dorido
Nesse desfecho, do tempo vivido
Aquando da Tua passagem, pela terra
Antro de libertinagem e de egoísmo
Um mundo pleno em hipocrisia
Onde, em nome da paz, se faz a guerra
Onde, ultrajam-se crianças, a cada dia
Onde reina a incúria e a traição
Ah, quão tremenda aberração!
Diz-me, se em atitude de impar altruísmo
Como conseguiu esse Teu coração
Conceder esse perdão, profundo
À incompreensão de todo um mundo
Na sua mais absoluta dimensão

Que temias, Tu, ó bom Jesus
Filho de Maria, em pureza
Quando, sob o peso daquela cruz
Por entre as vaias da multidão
Já arrastando-te, pelo chão
Numa atitude de evidente fraqueza
Um atributo da humana natureza
Foi o que Tu, então, mostraste…
Quando, aos céus, os Teus olhos, levantaste
E ao Deus Pai Tu perguntaste
“Senhor, porque me abandonaste…?“?

Tu, a Deus Teu Pai, inquiriste…
Porque temente Te sentiste…

Diz-me, Tu, ó Senhor Jesus
Se enquanto arrastavas, aquela cruz
Por entre as vaias da multidão
Cujo peso era o peso do pecado
De um mundo ignóbil - depravado
Tal, que arriava-Te, até ao chão
Como foste Tu capaz, de perdoar
A quem, ao Teu amor, a vaiar
Te apedrejara, sem piedade
E acabara, de te condenar
À humilhante crucificação
Retribuindo, com uma cruel ingratidão
Numa absoluta iniquidade
A tua compaixão, pela humanidade
Esse Teu amor, puro, pleno em dedicação.

apsferreira

6 comentários:

Elayne C.A. disse...

UMA ORAÇÃO, UMA ADORAÇÃO, UMA DECLARAÇÃO SALVÍFICA...COM CERTEZA O QUE FALASTES NÃO BATEU NO TETO E VOLTOU, VOOU AOS ARES E COMO UM AROMA SUAVE ÀS NARINAS DE DEUS ENCONTROU...

Marion Lemos disse...

Uma vibração de amor, luz e gratidão.
Uma linda oração, uma inspiração divina.
Parabéns, adorei!
Beijos.

Marion

Susan disse...

Uma prece sentida no mais profundo encontro teu com o Deus que habita em ti ...
Beijos
Susan

celina vasques disse...

Fantástica oração que escreveste a jesus!
Fico-te grata amigo querido por esta inspiração divina que pouquissimos poetas tem, fazer versos para nosso pai eterno!
Muito verdadeiro e te aplaudo amigo poeta com louvor!
beijos meus!

Silviah Carvalho disse...

Que lindo poema em oração, reconhecimento e humildade, excelente.
Tenho certeza que Deus te responderá às duvidas do seu coração.
Bjs.

Zaza Rib disse...

O Amor incondicional de Deus, a graça iemrecida que o homem recebeu, vindo do ato na cruz, da cruz de Cristo...João 3:16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Você respondeu questionamento de perdão...

O Amor tem o poder de amar o imerecido...

Parabéns pela a bela descrição!